Actualidades e curiosidades sobre a freguesia de Sobrado - Valongo
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007
As desfolhadas

Com o passar dos anos foram caindo em desuso, mas ainda me lembro de se fazerem algumas em Sobrado. Actualmente ainda se fazem, mas talvez por carolice e pela paixão de ainda se irem mantendo algumas tradições.

As desfolhadas, que se realizavam nesta altura do ano, juntavam vizinhos e família tornando a obrigação numa verdadeira festa.

O sistema era simples, as espigas colocadas no meio de uma eira com cestos estrategicamente colocados. Os trabalhadores colocavam-se em circulo, sentados ora no chão ora em pequenos bancos. Conforme desfolhavam as espigas, colocavam-nas nos cestos e o folhelho para fora da roda. A noite ( porque as desfolhadas eram tradicionalmente realizadas à noite) era animada pelos cantares típicos, e no caso de haver gente para isso por cantadores ao desafio.

As desfolhadas além de se organizarem numa estrutura de entreajuda entre famílias, tinham um importante papel social, pois era muitas vezes nas desfolhadas que se descobriam amores e eram permitidas certas ousadias como abraçar ou beijar ( na face entenda-se).

Estas ousadias eram permitidas graças à descoberta entre as espigas de milho, de uma espiga de milho vermelho, Milho rei,  que, segundo a tradição implicava que quem o encontrasse se levantasse e desse um abraço aos convivas.

No final da desfolhada, e em casas mais fartas, servia-se aos trabalhadores água ardente ( bagaço) pão, sendo que em casos raros, biscoitos.

 


sinto-me: voltando às origens
música: Milho rei

publicado por estoriasdaminhaterra às 10:53
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Raquel Alves a 13 de Outubro de 2007 às 00:20
Não as vivi em criança por força da urbanidade. Tive outras experiências mas, acho estas formas comunitárias de convívio e entreajuda, qualquer coisa de muito salutar. Tive a sorte de agora, já com com mais de 40 anos poder viver estas experiências, embora de uma outra forma.


De estoriasdaminhaterra a 15 de Outubro de 2007 às 15:15
Como diz o meu avô " Aprendemos até morrer e morremos sem saber"... É da troca de saberes que nascem as relações humanas, fico feliz que tenha gostado dos nossos humildes saberes.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


posts recentes

Festa de Carnaval da Comi...

Esclarecimento sobre a Co...

Inauguração da estátua ao...

Festa Srª Necessidades

IR- Aniversário

Sobrado em chamas

Nuno Ribeiro vencedor

Civismo rasca

Campo de férias na Casa d...

Bugiadas a património da ...

arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

todas as tags

favoritos

A lógica da batata

Morra marto morra farto

No ano em que se partilha...

Dois molhos de palha

Duas bandas para quê!?

Efeitos secundários não c...

Esta já está...

É para a porta do leão fa...

Pendurado na ponte

O irogo

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds