Actualidades e curiosidades sobre a freguesia de Sobrado - Valongo
Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007
Sobrado visto de fora

Há dias encontrei este texto publicado no jornal " A voz de Ermesinde" a propósito de Sobrado, achei-o interessante porque esboça uma ideia de Sobrado por quem a vê " de fora", nesse sentido, acho de todo pertinente dar a conhecer o texto aos " de dentro". Aqui fica.

Sobrado rumo ao futuro

O mês de Junho, em Sobrado, tem um sabor especial. É a época da realização das famosas Festas das Bugiadas e, de há meia dúzia de anos para cá, o mês que assinala a elevação da Freguesia a Vila, cujo autor do projecto-lei foi, perdoem-me a imodéstia, o subscritor destas linhas. Daí, fazer todo o sentido que dediquemos a nossa reflexão a esta terra, que às vezes parece esquecida por aqueles que, ao longo dos tempos, vêm comandando os destinos do Concelho.
Talvez porque julguem que os votos estarão sempre certos, porventura por razões de periferia, a verdade é que Sobrado aparece quase sempre como Freguesia secundarizada.
E a Vila não merece tal! Mantendo (ainda) algumas características de ruralidade, tem a qualidade de vida que as outras freguesias perderam há muito, em consequência de um mau planeamento do território, da construção desenfreada e ausência de espaços verdes.
A vila de Sobrado com as suas quintas e casas de lavoura e sob o olhar do "Monte Cornadinho" e da Serra da Agrela, é um oásis no meio da verdadeira selva de betão que percorre grande parte do nosso concelho, onde não falta a frescura do Rio Ferreira e a Ponte de Santo André, ambos associados à História de Valongo.

Em Sobrado e para um grande número de famílias que ali residem, a vida não tem sido fácil, no período pós-revolução de Abril, já que, nos finais da década de setenta e princípios de oitenta, grandes empresas nela sedeadas ou no concelho, nomeadamente a Cifa, encerraram as suas portas e lançaram no desemprego muitos homens e mulheres da freguesia. O País, vivia, então, tempos difíceis e só a determinação de muitos sobradenses permitiu encontrar novas oportunidades. Parece que na Vila se voltam a viver, hoje, momentos de alguma angústia pois algumas pequenas e médias empresas desapareceram e os sobradenses, tal como no passado aconteceu, são obrigados a emigrarem, desta vez para Espanha, à procura de trabalho que aqui não encontram!
E, no entanto, olham para o concelho ao lado (Paços de Ferreira) e vêem instalarem-se ali, empresas capazes de absorver grande parte da mão-de-obra da zona. É tempo, pois, de se (re)definir um plano estratégico, que valorize esta Freguesia que, estando tão perto da Sede do concelho e do cosmopolitismo metropolitano, se situa suficientemente distante do rebuliço e dos problemas inerentes daquelas realidades. Será que nos concelhos ao lado – Paredes Penafiel e Paços de Ferreira – os investidores são melhor acolhidos e apoiados pelas respectivas câmaras municipais?
Sobrado, com as melhorias introduzidas ao nível das acessibilidades valorizou-se no contexto concelhio e, agora, é o seu tempo….a sua vez! Desde logo a necessidade da ligação do IC24 à A4 criando uma verdadeira Cintura externa à Vila; depois, exigir dos políticos que promovam um debate sério com a população e/ou os seus representantes - aproveite-se a revisão do PDM – quanto à forma como encaram o futuro de Sobrado, nomeadamente quanto à necessidade de criação de empregos mais qualificados, do desenvolvimento de um nicho empresarial de produção diversificada, zonas residenciais de qualidade e promoção turística das suas tradições populares.
"Todos os anos, numa aldeia dos arredores do Porto, dia de S. João, uma festa que encena e actualiza a luta entre cristãos (bugios) e mouros (Mourisqueiros), em disputa por uma imagem milagrosa do dito santo. É a festa da Bugiada….". Esta Festa que tem merecido o estudo e a investigação de vários especialistas entre os quais o ilustre sobradense Dr. Manuel Pinto, arrasta consigo milhares de cidadãos dos concelhos limítrofes e emigrantes desejosos de reverem as famílias e participarem do ritual da celebração.
Ora, é esta tradição que deve ser promovida turisticamente e deve levar as gentes de Sobrado, a envolverem-se no desenvolvimento do associativismo cultural, social e desportivo. A participação activa na Rede Social do Concelho, ajudando a Comissão Fabriqueira do Centro Social e Paroquial a lutar por mais equipamentos sociais a instalar na Vila, a animação da Casa do Bugio, p.ex., são respostas a um Futuro que está aí bem perto. Agora é a vez de Sobrado crescer de uma forma sustentável e integrada rumo a um futuro mais risonho. Que tal começar por reparar a ligação de Alfena a Sobrado – estrada dos alemães – e limpar a serra conspurcada de detritos?

Texto de: Afonso Lobão

in http://www.avozdeermesinde.com/noticia.asp?idEdicao=117&id=3782&idSeccao=1037&Action=noticia




publicado por estoriasdaminhaterra às 11:40
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


posts recentes

Festa de Carnaval da Comi...

Esclarecimento sobre a Co...

Inauguração da estátua ao...

Festa Srª Necessidades

IR- Aniversário

Sobrado em chamas

Nuno Ribeiro vencedor

Civismo rasca

Campo de férias na Casa d...

Bugiadas a património da ...

arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

todas as tags

favoritos

A lógica da batata

Morra marto morra farto

No ano em que se partilha...

Dois molhos de palha

Duas bandas para quê!?

Efeitos secundários não c...

Esta já está...

É para a porta do leão fa...

Pendurado na ponte

O irogo

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds